Menu

Portugal lidera o crescimento na zona do euro

17/06/2017 - Mundo

Os dados coletados pela consultoria foram prorrogadas até o mês de janeiro em 53,6, sete décimos a menos do que o registrado em dezembro passado. O comportamento deste indicador não foi homogêneo, enquanto a Irlanda acelerava até o 61,1 e Espanha chegava ao 55,3, outros países, como a Alemanha, a Itália ou a França ralentizaban o ritmo de seu crescimento. Não obstante, há 30 meses, o PMI da zona do euro se mantém acima de 50, o nível a partir do qual as perspectivas econômicas são favoráveis.
Em Portugal, janeiro terminou com um crescimento mais rápido da atividade total e de novos pedidos, o que incentivou as empresas a aumentar o emprego. Pelo contrário, a actividade económica aumentou a um ritmo mais lento na Alemanha, o mínimo dos últimos três meses, e a Itália, o mais lento em quatro meses, enquanto a economia francesa manteve-se próximo da estagnação.
Apesar do relativo contratempo que teve na Europa em janeiro, houve alguns sinais positivos com relação às perspectivas econômicas. Neste sentido, os dados que gerencia Markit falam de um aumento do emprego pelo décimo quinto mês consecutivo e um aumento dos postos de trabalho, que praticamente atinge o nível de dezembro, que foi o mais alto dos últimos quatro anos e meio. Por outra parte, os pedidos pendentes de realização, aumentaram o passado janeiro para o ritmo mais vivo, a partir de 2011.
No que diz respeito à inflação, em janeiro observou-se que as pressões em deflação se intensificaram. Os preços médios cobrados por bens e serviços caíram para a velocidade mais rápida desde março de 2015, enquanto que, em referência aos custos, os preços pagos foram reduzidos pela primeira vez em um ano. A queda substancial dos preços pagos pelas empresas de manufatura, que foi a mais pronunciada a partir de janeiro de 2015, compensou um novo aumento dos custos suportados pelas empresas do setor de serviços.
Chris Williamson, economista-chefe do Markit, sublinhou que “os dados mostram uma taxa de crescimento trimestral do PIB para a região de apenas 0.4% no início do ano. Não obstante, as taxas de crescimento permaneceram divergindo significativamente, liderada pela Espanha, onde o PMI indica uma taxa de crescimento de 0,75%, seguida pela Alemanha, com uma expansão próxima a 0,5%”.