Menu

As exportações alimentares pisam o acelerador

17/06/2017 - Mundo

Portugal está deixando para trás seus principais concorrentes, França, Itália, Países Baixos e da Bélgica, na corrida exportadora de alimentos e bebidas, que tem crescido a um ritmo de 6,6% ao ano durante os últimos 15 anos. Em 1998, pouco mais de 15% das vendas deste setor se destinava ao exterior, uma percentagem que em 2013 já atingia 25%. De acordo com as projecções que segura FIAB, em 2020, 35% do volume de negócios corresponde ao setor externo, as expectativas ambiciosas que, tal como detalha Jaime Palafox, diretor do departamento de Assuntos Econômicos e a Internacionalização da Federação, “representa um dos muitos desafios que a indústria se propôs alcançar, como parte do Quadro Estratégico para a Indústria de Alimentação e Bebidas, que pretende converter para o setor, a locomotiva da recuperação económica do país”.
Em particular, a indústria de alimentação e bebidas superou os 22.499 milhões de euros exportados, 1,5% acima da cifra registrada em 2012, com o que suas vendas representam mais de 60% do total do sector agro-alimentar. Por seu lado, as importações representaram 17.608 milhões de euros, de modo que o setor obteve no ano passado um superávit comercial de 4.891 milhões de euros, contra os 359 milhões de saldo positivo registados em 2003. “A indústria de alimentos e bebidas tem ganho quota de mercado nos últimos anos, tanto em termos de produção como de valor adicionado, dando mostras de uma maior vantagem comparativa competitiva”, disse Jaime Palafox.
Quanto aos dados da primeira metade do ano, os relatórios de FIAB, destacam-se a positiva evolução do setor: “as exportações da indústria alimentar estão voltando a crescer a uma taxa homóloga de janeiro a junho de 7,6%, seguindo a tendência que apresentou nos anos anteriores a 2013”, diz Jaime Palafox. Quanto aos produtos mais exportados, derivados de suíno continuam liderando o mercado, com vendas de mais de 3.000 milhões de euros. Em segundo lugar está o vinho, ao superar os 2.500 milhões, seguido pelo óleo de oliva, com mais de 2.000 milhões de vendas ao exterior.
A União Europeia continua a ser o principal parceiro comercial da indústria espanhola de alimentação e bebidas, com uma quota de 72,8%, com a França, Portugal, Itália, Alemanha e Reino Unido, os principais destinos de nossos produtos. Fora da Europa, Estados Unidos continua na liderança da classificação, com 981 milhões de euros vendidos e um crescimento sustentado nos últimos anos. A China ocupa o segundo lugar, com 557 milhões de euros e um crescimento de 20% nos últimos 5 anos, enquanto que o Japão se situa na terceira posição, graças ao aumento de 13% registrado no último ano, o que permitiu alcançar os 413 milhões de euros em exportações.